Efeito troca de pele? Saiba o que a técnica do Microagulhamento é capaz de fazer por você

Você já ouviu falar na técnica de microagulhamento? Pode ser que sim, caso tenha problemas com cicatrizes, estrias ou rugas acentuadas na pele, por exemplo, com certeza um bom esteticista ou dermatologista já lhe indicou o tratamento. A verdade é que, de uma forma lúdica, podemos ilustrar o efeito deste procedimento como se fosse uma “troca de pele“. Já imaginou que maravilha poder trocar de pele? Sim, pois a grosso modo é quase uma troca da camada superficial da sua pele, pois estimula a renovação celular derrubando as células mortas. Por isso ele faz tanto sucesso e é um dos mais efetivos tratamentos estéticos. Veja como funciona!
Microagulhamento com Drug Delivery
A primeira coisa que você deve saber é que drug delivery não tem nada a ver com uma entrega expressa de medicamentos. Essa expressão, pode ser traduzida também por “entrega de ativos”, e sua definição é apropriada quando sabemos que o mecanismo como um produto terapêutico será enviado até o local exato onde ela deve agir. Por conta das características da nossa pele, como a queratinização, na maioria das vezes ela não permite que os produtos tópicos penetrem nas camadas internas, o que acaba deixando-os restritos à superfície. Assim, fazer os produtos chegarem até as camadas mais internas é permitido apenas ao quebrar a barreira da pele, o que garante uma penetração mais eficiente desses produtos.
Como o microagulhamento com drug delivery funciona? 
Lembre-se de que se trata de um sistema de rolamento que apresenta diversas microagulhas, que originam centenas de microperfurações na sua pele.
Somente esse processo já consegue desencadear algumas substâncias químicas que ajudam a estimular a produção de colágeno e elastina por meio dos fibroblastos, de modo que repare a pele, que tem sofrido danos com o passar do tempo.
Dessa forma, ocorre o aumento da produção de colágeno e elastina. Com esse aumento, a pele começa a reestruturar e reorganizar suas fibras internas, e isso promove a diminuição de rugas e cicatrizes, além de a formação de uma pele mais luminosa e mais firme. Quando o microagulhamento é associado à aplicação de ativos, há um aumento na taxa de penetração das substâncias ativas na derme e na epiderme, permitindo que elas atinjam camadas mais profundas.
Por que isso acontece?
Os produtos penetram através dos microcanais abertos na pele pelo sistema de microagulhamento.
Dessa forma, as moléculas são enviadas para as camadas internas da pele, o que permite que elas forneçam respostas mais rápidas e eficientes, de modo que melhore muito a renovação das células.
Como o procedimento é feito?
A técnica de microagulhamento é feita através da aplicação de anestesia local de modo que evita que o paciente acabe sentindo dores ou desconforto durante esse procedimento. Ela varia de um lugar a outro, mas o normal é o aparelho posicionado de forma paralela à pele, e assim é feito o rolamento do aparelho.
São usadas microagulhas bem afiadas e conseguem penetrar até 1,2 milímetros na pele, o que facilita a penetração de produtos aplicados a pele, tais como peelings ou máscaras faciais que contém ativos, vitaminas ou fatores de crescimento.
A medida em que microlesões são feitas, há também um microssangramento que não é visto a olho nu, mas com auxílio de uma lupa.
Alguns minutos depois começam a surgir um padrão de pequenas manchas avermelhadas. Depois de alguns minutos, os microfuros se fecham, mas não deixam marcas na pele, o sangramento cessa e a vermelhidão simplesmente desaparece, o que permite que o paciente retome às suas atividades em pouco tempo.

Deixe uma resposta